Viona Ielegems

“Este é o lugar onde os contos de fadas ganham vida! Comece a acreditar nas histórias da sua infância, porque elas são reais! Conheça todos os tipos de criaturas mágicas em um mundo que você desejava tanto que existisse. E fica melhor. Até mesmo você pode ser parte do meu mundo neo-romântico! Somente siga o caminho que leva à fantasia e imaginação e eu vou te encontrar lá…”

E essa é a descrição do site da fotógrafa Viona Ielegems, o Viona-Art. Chamada por muitos como “senhora da fantasia” e “rainha dos mundos misteriosos”, Viona é mais uma fotógrafa maravilhosa que consegue nos transportar para o mundo mágico dos contos de fadas.

Continuar lendo

Sol, Lua e Talia, de Giambattista Basile: Parte II

Hoje estou postando a continuação do conto da Talia e dos seus babies, por Giambattista Basile. A primeira parte pode ser lida aqui, junto com as demais informações sobre o conto. Caso não tenha lido a primeira parte ainda, vai lá e lê! NO SPOILERS HERE (embora ❤ spoilers <3, mesmo que todo mundo me odeie por isso…)!

Continue lendo…

Norske Folkeeventyr e o Folclore Norueguês

Norske FolkeeventyrPeter Christen Asbjørnsen (1812 — 1885) e Jørgen Moe (1813 – 1882) foram dois escritores e coletores do folclore norueguês que, juntos, escreveram o livro Norske Folkeeventyr (Norwegian Folktales), uma coleção de contos e lendas norueguesas. E, como eu adoro encontrar contos que eu ainda não conhecia, de outros lugares, eu amei esse livro. Os contos que eu li, dessa coleção e desses escritores, são realmente maravilhosos.

Pretendo, no decorrer do tempo, ir postando algumas dessas historietas. Uma delas, que é certo que irei postar, é a East of the Sun and West of the Moon (traduzido: A Leste do Sol e Oeste da Lua), que muita gente deve conhecer ou já  ter ouvido falar, mesmo que não saiba de onde saiu ou até mesmo do que se trata.

Enfim, muchachos, fiquem ligadinhos nesses posts, pois são histórias maravilhosas que podem fazer os dias de vocês bem melhores depois de lê-las.

Laís

Sol, Lua e Talia, de Giambattista Basile: Parte I

Em 1634, foi lançado Il Pentamerone: Lo cunto de li cunti, obra que reunia grande parte das histórias do escritor italiano Giambattista Basile (1575 – 1632). Sol, Lua, e Talia (Sole, Luna, e Talia) é um de seus contos de fada que integram esse livro. Esse conto, considerado  horripilante por muitas pessoas, fala de uma princesa que, ao nascer, foi predestinada a dormir por cem anos. Em 1697, tempos depois do lançamento das histórias de Basile, Charles Perrault recontou essa história no livro Contos de Mamãe Gansa, dando à ela o nome de The Sleeping Beauty in the Wood. Apesar de tudo, a versão mais conhecida, hoje em dia, é a dos Irmãos Grimm, datada do século XIX e intitulada Briar Rose, onde a princesa amaldiçoada acorda com o beijo de um príncipe encantado (awn).

Apesar de muito relutar em dividir esse conto em duas partes, isto foi necessário, pois ele é bem longo e poderia ficar cansativo demais.  Essa maneiríssima versão do Basile foi traduzida por Waldemar Ferreira Netto. Waldemar, quem quer que tu sejas, salvaste minha vida. Muito obrigada!

Continue lendo…

Contos de Mamãe Gansa, de Charles Perrault

Contos de Mamãe Gansa, de Charles PerraultNa minha última ida à livraria Saraiva, tive um pequeno ataque (foi lindo, vocês tinham que ter visto) e comprei o livro Contos de Mamãe Gansa (Contes de Ma Mère L’oye), do Charles Perrault. Essa nova edição da Coleção L&PM Pocket, traduzida pela Ivone C. Benedetti, contém algumas das histórias mais conhecidas dele, como Chapeuzinho Vermelho, A Gata Borralheira e o Gato de Botas.

Todos esses contos eram, originalmente, de autoria desconhecida, pois eram de cunho popular e passavam de um para outro oralmente. Assim, Perrault foi os recolhendo e registrando entre os anos de 1691 e 1697, e adaptando-os para serem lidos por diversos públicos.

Nós conhecemos essas histórias como contos de fadas, historinhas infantis que nossos pais nos contavam quando eramos crianças. Mas, nesse livro, elas são contadas à la Charles Perrault, tendo como principal tom o humor e o irreal, porém, ainda retratando, de um certo modo, a sociedade da época.

O que eu mais gostei dessa edição é que acompanha as “morais da história” e, dependendo da história, estas podem ser bem cruas, maliciosas. Não me lembro em que site eu li, mas sei que a classificação do livro era para maiores de 10 anos, pelo fato de muitas das histórias não terminarem com um “final feliz”. Aparentemente é tenso e a gente (eu, pelo menos) logo pensa “SANGUE E DOR E REJEIÇÃO!” (vide Pequena Sereia), mas não, não tem nada disso. Apenas não é mantida a ilusão do perfeito e maravilhoso.

Enfim, estou lendo o Contos de Mamãe Gansa e, conforme for, vou postando aqui alguns contos que estão nele. Fiquem atentos, muchachos!

Laís