Os desejos ridículos, de Charles Perrault

The Ridiculous Wishes ou The Three Ridiculous Wishes é mais um conto de fadas escrito pelo francês Charles Perrault. Foi publicado em 1697 no livro intitulado Histoires ou contes du temps passé, traduzido literalmente para Histórias ou contos do passado. Como sempre, eu, muito querida, traduzi o conto do original que encontrei por aí (a fonte tá lá embaixo). Aproveitem e reflitam ao final do conto. BESOS!

Ilustração de Harry Clarke“Era uma vez um pobre lenhador que, cansado de sua vida dura, ansiava por descanso no futuro. Em sua infelicidade, ele declarou que, em todos os seus dias, o céu não havia concedido nem ao menos um de seus desejos.

Um dia, trabalhando na floresta e reclamando de sua sorte infeliz, Júpiter apareceu diante dele com seus raios e trovões em mãos. Seria difícil imaginar o terror do pobre homem.

“Eu não quero nada”, disse ele, jogando-se no chão. “Vou desistir de meus desejos se você, por sua vez, largar o seu trovão. Seria uma troca justa!”

“Não tenha medo”, disse Júpiter. “Eu ouvi as suas queixas e eu vim para mostrar-lhe como me julga injustamente. Escute, eu sou o rei do mundo inteiro e eu prometo conceder-lhe três desejos, não importa o que seja. Como a sua felicidade depende deles, pense com cuidado antes de desejar-los.”

Com estas palavras, Júpiter retornou aos céus e o lenhador, carregando o seu fardo de varetas, correu para casa. A carga do fardo nunca lhe pareceu tão leve.

“Esta é uma questão de grande importância”, disse ele a si mesmo. “Eu, certamente, devo pedir a opinião de minha esposa.”

“Ei, Fanchon”, ele gritou quando entrou na casa de campo. “Faça-nos um bom fogo. Estamos ricos para o resto de nossas vidas. Tudo o que temos a fazer é três desejos!”

Com isso, ele disse à esposa o que havia acontecido, e ela, em sua imaginação, já começou a formar mil planos. Mas, percebendo a importância de agir com prudência, ela disse a seu marido: “Acalme-se, meu querido, não vamos estragar tudo por sermos impacientes. Devemos pensar sobre essas coisas com muito cuidado. Vamos adiar nosso primeiro desejo até amanhã. Vamos dormir e pensar sobre isso.”

“Eu acho que você está certa”, disse ele. “Mas, primeiro, me traga um pouco daquele vinho especial.”

Quando ela retornou, o lenhador bebeu do vinho e recostou-se na cadeira diante do fogo. “Para corresponder a tal esplêndida situação”, ele disse, “gostaria que tivéssemos uma trilha de salsichas. Isso, sim, seria muito bom!”

Mal tinha ele dito estas palavras quando sua esposa, para seu grande espanto, viu uma longa trilha de salsichas passar por eles como uma cobra, desde o canto da chaminé. Ela gritou em alarme, mas percebendo que este foi o resultado do desejo que seu tolo marido tinha feito, começou a repreendê-lo com raiva.Ilustração de Harry Clarke

“Quando você pode ter um reino, com ouro, pérolas, rubis, diamantes, roupas finas, tudo o que você deseja são salsichas!”

“Ai de mim”, respondeu o marido. “Eu estava errado, fiz uma escolha muito ruim. Admito meu erro. Da próxima vez vou fazer melhor.”

“Sim! “, disse a mulher. “Eu vou repetir isso até Dia do Julgamento. Para fazer uma escolha dessas, você deve ser muito burro.”

O marido, então ficou muito irritado e quase desejou que sua esposa estivesse morta. “A humanidade”, disse ele, “nasceu para sofrer. Maldição, e a culpa é das salsichas. Gostaria que tivesse uma pendurada no fim do seu nariz!”

O desejo foi ouvido pelos céus no mesmo instante, e uma salsicha pesou no nariz da mulher. Fanchon uma vez havia sido bonita e, para dizer a verdade, este enfeite não teve um efeito muito agradável. Como pendia do rosto dela, interferiu em sua conversa, e isso foi uma vantagem para o marido, que nem pensou no desejo mal feito.

“Com o meu desejo restante eu poderia muito bem me fazer um rei”, disse ele a si mesmo. “Mas temos de pensar na rainha, também, e sua infelicidade se ela fosse se sentar no trono com seu novo nariz. Ela deve decidir o que ela quer: ser uma rainha com um nariz de salsicha ou uma simples mulher e esposa de um lenhador.”

Diante disso, sua esposa e ele concordaram que não tinham escolha. Ela nunca teria as riquezas, diamantes e roupas finas com as quais tinha sonhado, mas que ela iria ser ela mesma novamente se o último desejo fosse livrá-la da salsicha enorme e assustadora que pendia de seu nariz.

E assim, o lenhador não mudou sua sorte, não se tornou um rei e suas sacolas não estavam cheias de ouro, mas ele estava muito feliz em usar o seu último desejo para restaurar em sua pobre esposa o seu estado anterior.” (Fonte)

OBS.: Pra quem não tá ligadinho na mitologia, Júpiter é o equivalente romano do deus grego Zeus.

Laís

Anúncios

8 comentários sobre “Os desejos ridículos, de Charles Perrault

    • Oi, Mirian, tudo bom? Sim, Perrault sempre é fabuloso! kk Te agradeço a oportunidade. Qualquer coisa, entramos em contato. Abraços!

    • Ai, gente, quem nunca? Sempre foi meu primeiro pensamento, quando eu me imaginava encontrando algum gênio… Mas que bom que gostastes, Camila. Fica ligada, que volta e meia a gente posta Perrault. :3

  1. Pingback: Feliz aniversário, Perrault! | Fairytale Land Stories

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s