A Donzela de Neve, do folclore russo

A Donzela de Neve (Snegurochka ou The Snow Maiden) é um conto de fadas russo, que conta a história da filha da Primavera e do Inverno. Abaixo, o conto traduzido e adaptado por Paulo M. Rezzutti e Adriana Moura.

“Há muito tempo, o Pai Inverno e a Mãe Primavera tiveram uma filha, que era feita de neve. Eles a chamaram de Snegurochka. Conforme crescia, ela se tornava uma bela jovem. Um dia eles perceberam que ela havia se tornado uma mulher e que não podia ser mantida isolada do resto do mundo, como quando era criança. Eles deviam deixá-la encontrar o seu caminho no mundo, mas ficaram tristes por perdê-la.

Com medo de que Yarilo, o deus sol, a derretesse, eles pediram a seu amigo, o Espírito da Floresta, que a protegesse. Ele prometeu mantê-la a salvo do deus sol enquanto o amor de um homem não entrasse em seu coração. Com essa garantia, eles deixaram Snegurochka na floresta do czarado de Berenday. Snegurochka vagou na floresta por muito tempo, triste e solitária. Ela fez amizade com diversos animais, mas faltava algo em seu coração.

Na mesma floresta, vivia um velho casal que havia tentado, por anos, ter filhos, mas sem sucesso. Seus dias eram muito solitários e suas noites muito tristes, porque eles não tinham crianças para lhes fazer companhia. Eles tinham uma vida simples, colhendo cogumelos e framboesas na floresta, e moravam em uma pequena isbá. Conforme Snegurochka caminhava, ela se aproximou da isbá. Quando o velho casal a viu, achou-a tão bonita e agradável que a convidou para ficar com eles e ser sua filha. Por muito tempo, Snegurochka foi muito feliz vivendo com o casal, e o Espírito da Floresta protegeu-a de Yarilo, o deus sol.

No entanto, Snegurochka começou a sentir falta de amigos de sua idade. Um dia ela estava olhando pela janela da isbá e viu um grupo de jovens dançando pela floresta, comemorando a Maslenitza (a chegada da primavera). Inicialmente, envergonhada, pois nunca tivera contato com outros jovens, ela ficou apenas observando de longe. Quando eles a viram, a chamaram, dizendo: “Venha, junte-se a nós em nossa celebração!”

Enquanto ela se divertia dançando com eles, um jovem pastor, chamado Lel, apaixonou-se por ela. Ele cantou lindas canções e tocou para ela sua flauta. Depois desse dia, ele visitou-a sempre. Era comum ser visto embaixo de sua janela, tocando sua flauta e implorando que ela fosse com ele. Ela lembrou-se do aviso do Espírito da Floresta e endureceu seu coração para as súplicas de Lel.

Toda noite, durante o verão, os jovens dançaram em círculo e cantaram canções sobre o amor. Snegurochka ficou muito triste porque seus amigos estavam todos apaixonados, mas ela não sentia nenhum amor em seu coração. Quando os outros namoravam, ela ficava sozinha, exceto por uma garota, Coupava, com quem fizera amizade. Conforme o verão seguia, ela e Coupava se tornavam mais amigas.

Um dia, Coupava trouxe seu noivo, Mizgir, para encontrar seus amigos e dançar com eles. Mizgir, ao ver Snegurochka pela primeira vez, apaixonou-se perdidamente. A moça lembrou-se do aviso do Espírito da Floresta e endureceu seu coração às súplicas de Mizgir.

Mizgir ficou muito triste ao ver que não era correspondido por Snegurochka e entrou pela floresta, solitário. Ele imaginava que Snegurochka o seguiria e, então, para onde olhava, pensava vê-la. No entanto, não importa quanto Mizgir procurasse por ela e a perseguisse, o Espírito da Floresta protegia Snegurochka e a escondia de seus olhos.

Coupova ficou muito magoada porque Mizgir se apaixonara por Snegurochka. Quando seus amigos contaram a ela que Mizgir havia pedido a mão de Snegurochka em casamento, ela foi ao Czar de Berenday, acusando a moça de neve de seduzir Mizgir. Ela pediu ao Czar para punir Snegurochka.

O Czar governava preocupado com o bem-estar de seu povo e procurava sempre fazer justiça, então ouviu atentamente a queixa de Coupava e mandou seus homens buscar Snegurochka. Ela ficou muito assustada ao ver os soldados, e mais ainda ao entrar no palácio do Czar. Tudo era tão magnífico – lindos jardins cheio de flores, arbustos em flor e árvores de todo tipo, salas cobertas do chão ao teto com lindas pinturas, senhores e boiardos vestidos com roupas finamente ornamentadas com jóias, ouro e prata. O Czar, sentado em seu trono cravejado de jóias, era mais esplêndido que todo o resto junto. Snegurochka mal podia olhar para ele de tão aterrorizada.

O Czar acalmou-a, dizendo que a única coisa que queria era a verdade sobre seu relacionamento com Mizgir. Ela disse que, embora ele a perseguisse e quisesse casar-se com ela, não o amava e recusara de todas as formas. O Czar percebeu que ela dizia a verdade e não tinha culpa de ter roubado o coração de Mizgir de Coupava. Ele disse que ela poderia voltar para seus pais com sua bênção e que não se preocupasse, pois que não havia feito nada de errado.

Quando saiu do palácio do Czar, Snegurochka correu para a floresta para contar à Mãe Primavera tudo o que acontecera com ela na cidade. Ela contou o quanto estava triste porque não podia amar ninguém e perguntou à sua mãe o que fazer. Então a Mãe Primavera decidiu que poderia deixar Snegurochka amar ao menos uma vez e deu a ela uma grinalda de flores para aquecer seu coração. “Esta grinalda fará o amor nascer no seu coração, minha filha”, disse a Mãe Primavera, ao mesmo tempo alegre porque sua filhinha descobriria o amor e triste porque sabia o que o destino reservaria a ela.

Quando Snegurochka voltou da floresta para a sua isbá, Lel estava esperando por ela debaixo de sua janela. Ela pediu que ele cantasse suas canções e tocasse flauta. Enquanto ela ouvia as belas canções de amor, seu coração se aqueceu e Snegurochka se apaixonou por Lel. Eles tiveram uma noite maravilhosa na companhia um do outro, cantando e dançando com seus amigos. Mas, ao raiar do dia, com os primeiros raios do deus sol, ela começou a derreter. O amor de um homem havia penetrado em seu coração.”

Fonte: Conto a Donzela de Neve, do Bazar das Palavras

Laís

Anúncios

9 comentários sobre “A Donzela de Neve, do folclore russo

  1. Minha nossa! Não conhecia esse conto e fiquei surpresa com o final. Gostei de ter achado o blog de vocês e tenho que dizer -sinceramente- que adorei a iniciativa! Coloquei-o nos meu links para sempre que possível visitá-las 🙂
    Beijinho!

  2. Pingback: A Menina da Neve (Eowyn Ivey) | Blablabla Aleatório

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s